inteligencia de mercado com o hiperdados a melhor solução de informação

O ano de 2017 ficou marcado no Brasil pela eclosão de vários escândalos políticos. Enquanto a população se concentrou em discutir nas redes sociais e se dividir em dois grandes grupos que ficaram conhecidos como coxinhas, simpatizantes da extrema direita, e mortadelas, defensores das ideias de esquerda e da democracia, várias situações vieram a público e complicaram o cenário econômico e o mercado brasileiro.

 

Histórico

Em março deste ano, o IBGE divulgou que o Brasil vivia a pior recessão econômica de sua história. Um dos casos de corrupção que mais tiveram impacto em 2017 foi a gravação envolvendo a empresa JBS, que atua no processamento de carnes, e Michel Temer, que, no momento, ocupa o cargo de presidente.

No dia que este caso se tornou público por meio da delação premiada do empresário Joesley Batista, proprietário da JBS, causou uma queda tão grande nas ações no Brasil que a Bolsa de Valores chegou a ser fechada para evitar maiores impactos.

É inegável que este cenário econômico instável afeta o mercado de imóveis, porém, não significa que ele esteja em queda. É visível que o ramo imobiliário está bastante calmo e anseia por maior movimentação, e que a situação não é de completo desespero como vivenciamos em 2016.

O fato é que muitas medidas econômicas estão sendo anunciadas pelo governo, o que torna os próximos meses, e especialmente o próximo ano, um potencial período de crescimento para o mercado de imóveis. Conheça quais são as principais mudanças que levam especialistas do mercado imobiliário acreditarem que 2018 será um ano de crescimento.

Medidas que colaboram com a retomada do mercado imobiliário em 2018

Em meio à crise, setor imobiliário volta a crescer em Praia Grande”. Essa é uma das manchetes do G1 publicadas no dia 30 de Junho de 2017, um tipo de notícia que está se tornando menos incomum no segundo semestre. Isso porque o mercado imobiliário finalmente está se aquecendo e ensaia uma grande retomada, mesmo após meses difíceis para economia brasileira.

Várias medidas anunciadas este ano colaboram com a retomada do mercado imobiliário em 2018. Conhecê-las certamente irá te ajudar a traçar a melhor estratégia de atuação para sua incorporadora ou construtora no próximo ano.

Queda da inflação e redução da taxa de juros

Diminuir a taxa de juros e a inflação é uma forma de aumentar o poder de compra do consumidor e tornar a compra ou locação de imóveis mais viável. Isso porque a grande maioria das pessoas não planeja investir ou adquirir imóveis quando vive dificuldades financeiras.

No Brasil, a taxa de juros já foi reduzida 3 vezes este ano, e a previsão do mercado é que fique abaixo da meta estipulada para 2017, que é de 4,5%.

Crescimento do Produto Interno Bruto (PIB)

Após um período de recessão econômica, como foi 2016, é comum viver um período de intenso crescimento. Em 2017, o PIB do Brasil já cresceu 0,47%, o que é muito positivo, já que o índice esteve em queda durante 2 anos consecutivos. Para 2018, as expectativas de crescimento são ainda maiores.

O PIB é um indicador que é utilizado para medir o comportamento da economia de um país, pois está relacionado a outros, como a empregabilidade e o poder de compra do consumidor. Por isso, ter um PIB ascendente é um sinal de retomada do crescimento econômico e do desenvolvimento do mercado de imóveis.

Mudanças no financiamento de imóveis

Outro fator importante para a retomada do mercado de imóveis em 2018 são as mudanças anunciadas para o programa Minha Casa, Minha Vida, da Caixa Econômica Federal. A instituição aumentou o teto do financiamento de imóveis de R$1,5 milhão para R$3 milhões, além de lançar uma faixa R$1,5 milhão no programa.

Essas mudanças ampliam o público potencial para adquirir imóveis e abrem novas oportunidades de compra ou locação.

Saiba como agir e prepare-se para a retomada do mercado imobiliário

Esse cenário torna os próximos meses muito promissores para o mercado imobiliário, inclusive, alguns efeitos já começam a ser percebidos, como é o caso da reportagem que citamos. Mas o que uma incorporadora deve fazer a partir desse momento para garantir o sucesso nesse período?

Ter imóveis para comercializar

O primeiro ponto que uma empresa do setor da construção civil precisa se atentar em um momento de crescimento econômico e aumento do potencial do mercado é ter imóveis para comercializar. Essa dica também é válida se você é um investidor ou fundo imobiliário.

Afinal, de nada serve um mercado aquecido e um público amplo disposto a comprar imóveis se você não tem as opções certas para oferecer. Por isso, uma forma de estar pronto para a retomada do mercado é verificar quais tipos de imóvel são preferidos pelo público e investir na sua construção.

Invista em Marketing

Ter os produtos certos para vender também não será eficaz se o público não receber essa informação. Por isso, prepare-se para a retomada do mercado organizando uma boa estratégia de marketing para atingir seu público e tornar sua marca e seus imóveis conhecidos no mercado que você atua.

Aumente a produtividade do seu negócio

Se você tem negócios no setor imobiliário, é fundamental tornar sua empresa mais produtiva e melhorar a eficiência da gestão do seu negócio. Isso pode ser feito de forma bastante simples, mas completa, com um ERP imobiliário. Esse tipo de software imobiliário integra todas as áreas do seu negócio e te dá uma visão completa sobre o mercado e o que está acontecendo na sua empresa.

Além disso, facilita a tomada de decisão e lhe ajuda a verificar quais terrenos ou imóveis são um investimento mais rentável, a partir do georreferenciamento das regiões. Gerar relatórios é uma tarefa que pode ser automatizada, simplificando a análise dos processos da sua empresa.

Contar com um ERP para construção civil é uma ótima forma de acompanhar a evolução dos preços do mercado imobiliário e do metro quadrado no país. Conheça o Hiperdados e tire suas dúvidas sobre o assunto!

No Comment

Comments are closed.

× Conheça o Hiperdados