inteligencia de mercado para sua incorporadora

Mais do que nunca, comprar um imóvel hoje demanda muita reflexão, pesquisa e, principalmente, estratégia. Isso porque o mercado imobiliário está entre os setores mais afetados pela crise econômica atual – que segundo o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, é a mais contundente desde a época da depressão, ocorrida na década de 30.

Com base nesses fatores, nós, da Hiperdados, em parceria com a Properati, portal especializado em reunir oportunidades imobiliárias no Brasil e no mundo, anunciamos a publicação periódica de boletins diagnósticos sobre o setor de comercialização de imóveis. Nossa ideia é oferecer aos leitores uma base sólida para traçar planos de investimento e venda no segmento, por meio da disposição de dados precisos, aliada a análise de fatos relevantes para a oscilação de preços.

Para iniciarmos esse trabalho, vamos falar sobre a situação atual dos residenciais verticais (apartamentos) na capital paulistana. De acordo com dados da Properati, em fevereiro deste ano o valor médio por metro quadrado fixou em R$8.761,37, um aumento de 0,25%, em comparação ao mês anterior. No confronto com os últimos 12 meses, o indicador teve um crescimento de 1,4%.

Contudo, em comparação ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), há uma perda de preço real de 9,3 pontos percentuais no período examinado. Dependendo de qual lado da “mesa de negociação”, isso pode representar prejuízo, falta de liquidez ou mesmo uma grande oportunidade.

Entre os fatores de relevância para essa variação de preços, a pressão da alta do dólar sobre a inflação é certamente um dos principais. A moeda americana praticamente dobrou de valor entre 2013 e 2016, influenciada principalmente pela situação política do país – que tanto no Congresso Nacional como nas ruas se debruça sobre a necessidade de um impeachment. Isso somada a uma série de decisões econômicas problemáticas do governo, como a continuidade de programas nada sustentáveis, balizados por uma matriz de forte intervenção estatal, por meio de expansão fiscal com estímulos, crédito abundante a juros subsidiados, e taxa de câmbio controlada.

Tudo isso levou a insegurança na economia dentro e fora do Brasil, que durante o último ano teve sua nota rebaixada em diversas agências internacionais de classificação de risco, que também ocasionou numa crise de confiança no mercado interno, ocasionando num crescente desaquecimento e aumento no desemprego.

Esse clima de desconfiança influenciou também na escassez do crédito para imóveis usados fixada pelos bancos públicos, ocorrida em maio de 2015. A Caixa Econômica, por exemplo, reduziu sua capacidade de empréstimo de 80% para 50%. Essa medida influenciou outras instituições financeiras, reprimindo assim ainda mais a demanda.

Outro fato relevante a essa desvalorização é o número de devoluções de imóveis, por meio de distratos. Um estudo recente da agência de classificação de riscos Fitch, com base em nove grandes empresas do setor, revelou que 41% dos espaços comercializados em 2015 foi devolvido para as empresas, representando um volume de 5 bilhões de reais.

Por isso, a melhor estratégia para quem adquiriu um imóvel na capital paulista últimos 12 meses é segurar um pouco a ansiedade e aguardar uma melhor oportunidade para a venda.

Um sistema especializado em negócios imobiliários é o Hiperdados. Em uma única ferramenta, a incorporadora ou construtora dispõe de módulos de sistemas de gestão integrados, BI e inteligência de mercado. Com o Hiperdados, é possível emitir relatórios que vão do mais sintético ao mais analítico em até três cliques.

Ficou interessado e quer saber como o Hiperdados pode ajudar a sua empresa?

 

No Comment

Comments are closed.